Histórico

A oficina de teatro Atores Mirins iniciou-se no Rio de Janeiro em 1.996. A idéia nasceu após um diálogo entre Orly e a mãe de uma de suas alunas de um curso que ministrava na cidade maravilhosa. Então, foram convidadas dez ex-alunas que haviam se destacado desse mesmo curso, e deu-se início às aulas e o ensaio do primeiro espetáculo de teatro infantil. 

A montagem da peça "João e Maria", de Maria Clara Machado, foi realizada numa única apresentação no Teatro Gláucio Gil, em Copacabana.

No ano seguinte, o próximo espetáculo: "O mágico de Oz", um clássico infantil, adaptado por Orly Veras, também apresentado no Teatro Gláucio Gil, só que agora com duas apresentações.

Em 1998, o grupo já contava com quinze crianças no elenco, e neste ano apresentou o espetáculo "Maria, a mais bela história", adaptado por Orly Veras, que conta a trajetória de Maria de Nazaré.

Em 1999, última montagem na capital Fluminense, a Cia. demonstrou uma de suas maiores características, a ousadia, pois levou ao palco do Gláucio Gil, uma adaptação de "Pollyanna". O sucesso foi grande, mas os professores Orly e Isabelle (assistente e figurinista), decidiram retornar à sua cidade de origem. Agora é Curitiba, que acolhe a Cia.

A primeira montagem na capital paranaense, foi em 2001: "A bruxinha que era boa" de Maria Clara Machado, apresentada no Miniauditório do teatro Guaíra e re-estreando no teatro do Sesc Esquina.

A partir de então, a oficina sempre realiza seus espetáculos em pelo menos duas temporadas, como resultado de um processo desenvolvido durante as aulas. Neste processo são aplicados jogos teatrais e exercícios de improvisação e expressão corporal para aprimorar a técnica de palco e auxiliar no desenvolvimento emocional, intelectual e físico de cada criança que faz parte do grupo.

Em 2002 com a remontagem da peça "O mágico de Oz", a Cia. Atores Mirins passa a se chamar Cia. Verás Atores Mirins.

Em 2003 estreia mais um espetáculo de Maria Clara Machado, desta vez "A menina e o vento". Em 2004 "Putz, a menina que buscava o sol", de Maria Helena Kühner. E, em 2005 pela 1ª vez a Cia estreia um musical "O pequenino grão de areia" de João Falcão.

Em 2006, foi um ano de muitas conquistas, pois comemorou "10 anos" de existência, com: a inauguração do Site, exposição de fotos e figurinos na Biblioteca Pública do Paraná, apresentação no projeto "Teatro para o Povo" do Teatro Guaira, e a estreia do espetáculo "A ver estrelas" de João Falcão, no Teatro da Caixa.

Em 2007, a Cia. re-estreou o espetáculo "A ver estrelas", no Teatro do Sesc da Esquina e no Guairinha, no projeto "Teatro para o Povo" do Teatro Guaíra. Foi nesse ano que a Cia. estreou o espetáculo mais esperado "Pollyanna", no Teatro Guaíra (Miniauditório). O texto é uma adaptação para o teatro da obra literária de Eleanor H. Porter e tradução de Monteiro Lobato. Na temporada de estréia teve lotação máxima e muitas pessoas sairam emocionadas do teatro. A peça continuou sendo apresentada em 2008, no Sesc da Esquina, Guairinha (Teatro para o Povo).

Em 2009, estreia a peça "Ao pé da letra", da obra de Alina Perlman, no Festival de Curitiba, com apresentações no Teatro da Caixa. Temporada no Teatro do Sesc da Esquina em maio,  e em junho, no projeto "Teatro para o Povo" do Teatro Guaíra. Re-estreia no Teatro Fernanda Montenegro em Outubro, em comemoração ao mês da criança.

Em 2010, o espetáculo escolhido foi "A revolta dos zíperes", adaptação também da obra de Alina Perlman. A estreia em março, no Festival de Teatro de Curitiba - Auditório Brasílio Itiberê. Depois, temporada no Teatro do Sesc da Esquina em abril, e  no projeto "Teatro para o povo" no Guairinha em junho. A temporada foi encerrada no Teatro do HSBC em setembro, tendo a honra da presença da autora Alina, na plateia.

Em 2011, a Cia. comemorou "15 anos". Reapresentação da peça "Ao pé da letra", pelo Festival de Teatro de Curitiba - no Teatro da Fesp. Estreia do belo musical "História de lenços e ventos", de Ilo Krugli, em julho no Teatro do Paiol, depois em setembro no Teatro do Sesc da Esquina e nova temporada em dezembro no Miniauditório do Teatro Guaíra. Em outubro, a Cia. apresentou "Momentos de Maria" no Santuário Santa Rita de Cássia.

Em 2012, reapresentação do espetáculo "História de lenços e ventos" em abril, pelo Festival de Teatro de Curitiba - no espaço dos Correios. Em maio, apresentou no Clube Curitibano e, em junho, no projeto "Teatro para piás e gurias" do Teatro Guaíra - no Teatro José Maria Santos. Estreou em setembro a peça "O baú da inspiração perdida" de Benedito Rodrigues Pinto, no Teatro do Sesc da Esquina. 

No ano de 2013, reapresentação do "O baú da inspiração perdida", em abril, no Festival de Teatro de Curitiba, depois em maio no projeto "Teatro para piás e gurias" do Teatro Guaíra. Em outubro,  estreia da montagem "O fantástico mistério de Feiurinha", obra do premiado Pedro Bandeira.

Em 2014, a Cia. Verás fez sua 1ª viagem para a Europa (Lisboa e Roma) para fazer Workshop de teatro na Casa do Artista e apresentações de performances no Colégio Marista de Lisboa. Em abril, reapresentação do espetáculo "O fantástico mistério de Feiurinha", pelo Festival de Teatro de Curitiba - no espaço dos Correios, e depois no projeto "Teatro para piás e gurias" do Teatro Guaíra - no Teatro José Maria Santos. Estreou em outubro a peça "A caçadora de borboletas" de Zuleika Mello, no Teatro do Sesc da Esquina.

Em 2015, a Cia. Verás fez sua 2ª viagem para a Europa (Lisboa e Madri) para fazer Workshop de teatro na Casa do Artista e apresentações de performances no Colégio Marista de Lisboa. Em abril, reapresentação do espetáculo "A caçadora de borboletas", pelo Festival de Teatro de Curitiba - no espaço dos CorreiosEstreou em setembro a peça "Da Metade do Caminho ao País do Último Círculo" do premiado Ilo Krugli, no Miniauditório do Teatro Guaíra.

O ano de 2016, foi um ano muito especial pois a Cia. Verás comemorou "20 anos". Um ano inteiro de eventos como, Retiro Artístico, viagem para São Paulo para apresentações de Performances nos Colégios Arquidiocesano e Glória. Em abril, reapresentação do espetáculo "Da Metade do Caminho ao País do Último Círculo", pelo Festival de Teatro de Curitiba - no espaço dos Correios, Apresentação da peça "Margherita de Dio". Estreou em setembro no Guairinha, a peça "Branca de Neve" da premiada Lúcia Benedetti, e fez temporada em outubro no Miniauditório do Teatro Guaíra. 

A cada ano a oficina Cia. Verás vem conquistando cada vez mais o seu espaço dentro do circuito cultural Curitibano.